DIA MUNDIAL DE PREVENÇÃO AO SUICÍDIO: FIQUE DE OLHOS BEM ABERTOS

Atualizado: 11 de set. de 2019


Apoio emocional e orientação profissional são fundamentais para reverter esse quadro.

No dia 31 de março de 2017, estreou pela Netflix a primeira temporada do controverso seriado 13 Reasons Why (13 Razões do Porque). A obra, baseada no livro Thirteen Reasons Why (2007), de Jay Asher, tem como foco narrativo as justificativas do suicida, a partir do momento em que o personagem Clay Jensen recebe as fitas gravadas por Hannah Baker, detalhando os treze motivos pelos quais ela decidiu tirar a sua vida.


O seriado recebeu críticas positivas e rapidamente se popularizou, alertando e provocando discussões sobre o tema do suicídio em todo o mundo. Porém, a grande maioria das pessoas, ainda têm dificuldade em aceitar que alguém ao seu lado possa estar sofrendo esse processo neste momento.

O suicídio já é a segunda causa de morte entre os jovens entre 15 e 29 anos, que segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), ocorre um a cada 40 segundos em todo o mundo, sendo maior entre os homens, cerca 17,7 para cada 100 mil habitantes e 7,5 entre mulheres (relatório da ONU/ 2016).


Estrelas de cinema e astros da música não são imunes a esses efeitos, mas a esses a sociedade atribui a excentricidades e extravagâncias, pois como eles podem sofrer se ganham rios de dinheiro e atenção? Dessa forma ícones como Marilyn Monroe, vozes de uma geração como a de Kurt Cobain, talentos como Robin Williams se apagam. Inventores brilhantes como Alberto Santos Dumont e gênios da arte como Vincent Van Gogh, também deram fim às suas trajetórias.


Quando alguém comete suicídio, é comum nos perguntarmos quais foram os motivos que levaram uma pessoa a tirar a própria vida. De certa forma é configurado como um assassinato, onde a vítima e agressor são a mesma pessoa. O que é possível afirmar que dentre os principais fatores estão: problemas como depressão, uso excessivo de álcool e drogas, violência sexual, abusos, violência doméstica, bullying e luto.


O luto de perdas afetivas, como exemplo, é um fator que pode conduzir pessoas a cometerem o suicídio. Esses casos ocorrem principalmente entre os idosos que acabam perdendo os seus parceiros. Isso porque, diversas reações emocionais são despertadas no primeiro ano da morte, como tristeza, ansiedade, culpa ou raiva. Embora seja comum que a pessoa possa em um primeiro momento, querer se isolar do convívio social, é importante que ela possa superar a perda e seguir em frente. Não é que ela deva esquecer, mas sim ressignificar, pois as lembranças e a ausência continuarão.

O Dia Mundial de Prevenção do Suicídio é um dia de conscientização, a fim de promover informações e ações que conduzam a sociedade a discutir e buscar evitar suicídios, pois segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), nove em cada dez mortes por suicídio podem ser evitadas. Isso indica que a prevenção é fundamental para reverter essa situação, garantindo ajuda e atenção adequadas.



O QUE FAZER PARA EVITAR?


Converse

Procure um local em que a pessoa fique à vontade para se abrir e dedique tempo para ouvi-la.


Não julgue

Seja compreensivo e não demonstre estar chocado com o relato.


Oriente a pessoa a aceitar ajuda profissional

Se ofereça para levá-lo ao um profissional e não espere que ela tenha a iniciativa de ir sozinha.



ONDE PROCURAR AJUDA?

Centro de Valorização da Vida (CVV)

Pelo telefone 188, você pode buscar apoio gratuito


Centro de Atenção Psicossocial (CAPS)

Centros psicossociais do SUS, que estão presentes em cidades com mais de 20 mil habitantes.

Voltar